quinta-feira, julho 02, 2015

Nem fazem e nem deixam façam

Foto:Estadão
Sim, Jean, Educar é mais eficiente, mas o governo deu claras demonstrações que esta não é a prioridade em nosso país. Cortes em cima de cortes na Educação... É claro que não haverá dinheiro e nem esforços para educar quem não está interessado em ser educado. Seria preciso uma ação mais forte dentro da Câmara para exigir investimento em instituições sócio-educativas eficazes, mas não é uma bandeira que vejo esses mesmos deputados levantarem. Aliás, há uma preocupação muito maior com a causa gay do que com a causa do menor de rua. Então, é assim: se não vai ajudar, não atrapalha.
Eu realmente não creio que o texto anterior que reduzia a menor idade penal para qualquer crime, incluindo tráfico de drogas e lesão, fosse o ideal. Foi bem vetado. Mas da forma com que foi votado agora, onde jovens acima de 16 anos que cometerem crimes hediondos responderão por seus atos em juízo, está de acordo com o que a sociedade esperava e com a urgência necessária que esta pauta exigia. Tem mais de 16 anos e estuprou, sequestrou, matou? Vai preso, sim. Só não sei se o Estado terá condições de construir mais presídios, já que pela nova lei, esses jovens não podem dividir o mesmo espaço que criminosos adultos.
Sabemos dos problemas graves que o nosso sistema carcerário passa. Cadeias superlotadas, ressocialização inexistente, condições precárias de manutenção dos presos, rebeliões atrás de rebeliões, corrupção e falta de espaço para novos condenados. Este é um problema que eles terão que lidar, porque o que temos no Brasil são "depósitos de presos". As pessoas são jogadas lá e nós pagamos por este "entulhamento humano" que só servem para manter criminosos longe de nós, mas, por quanto tempo? Todos os dias os noticiários divulgam fugas, relaxamento de prisões, decretos de semi-abertos e abertos... Tudo é motivo para vagar espaço e receber novos "hóspedes". O problema é que muita gente vai pra rua pior que entrou, pois a prisão só serviu para destruir de vez o que já não era bom. Ao invés de aproveitarem o tempo estudando, se profissionalizando, produzindo ou trabalhando em algo útil para a comunidade, passam os dias ociosos. É claro que num ambiente infernal, ninguém é ressocializado ou bem utilizado. Se violência gera violência, inferno gera o que? Pois bem, é nisso que serão transformados esses jovens também, caso o Estado não pare de olhar pra cima e assoviar, fingindo que o problema não existe.
A sociedade não pode conviver com psicopatas e criminosos cruéis, que ameaçam nossas vidas diariamente; mas também não pode continuar financiando "fábricas do capeta". Ou garantem que eles nunca mais sairão de lá ou garantem que quando saírem não significarão mais um perigoso para as pessoas. Se virem e resolvam porque não estamos aqui pagando parlamentar pra ficar defendendo projetos inúteis e fazendo palhaçada no Congresso. Há problemas muuuito mais sérios a serem tratados nesta casa. Educação e Sistema Carcerário são 2 deles.